Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > Cultura > Eu, Autor > Contos

Título : O causo da primeira festa
Autor: Volmar Camargo Junior
Cidade: Canela

Comentários | Adicionar a Favoritos | Outros Itens deste Usuário | Enviar a Amigo | Reportar Abuso


Page Views: 1455
Publicação: 16/05/2008
 

Prólogo: A Formatura

 

            Antes do princípio, o Patrão colou grau na Faculdade de Arquitetura. Deixou a toga dependurada em Alfa-Centauro e jogou o capelo, dando origem à Via-láctea. Arremangou a camisa e foi criar o mundo. Aí sim, no princípio, criou o céu e a terra.

 

 

 

A Festa

 

            Naquela época, o Criador ainda enfiava, ele mesmo, a mão na massa. Por seis dias inteiros, trabalhou feito uma mula – que só é o que é em homenagem a Ele – entreverado no monte de lama que era a Terra. Bem de tardezinha, Deus se lavou num açude e, para descontrair, fez um bonequinho de barro e lhe assoprou o nariz. Depois do trabalho feito, o Patrão admirou o mundo com aquela pose de açucareiro, mui satisfeito com o resultado. Bateu nEle uma baita vontade de comemorar. Por não ter muita companhia, chamou a bicharada para, juntos, fazerem aquele baile.

 

Como ainda não havia papel-cartão nem impressora off-set para fazer os convites, O Patrão resolveu pôr em prática uma teoria dos tempos da faculdade. Ali por seis da tarde, chamou o bonequinho-de-barro para espraiarem eles dois a notícia da festa no boca-a-boca. Em instantes já havia mais um convidado: a Serpente. Esses três chamaram mais um, e já eram quatro. Em um minuto, esses quatro viraram sete. Nos sessenta segundos seguintes, sete viraram onze; onze viraram dezoito; dezoito viraram vinte e nove. Era tanto bafafá que em dez minutos o Salão do Éden já tinha cento e vinte e três. Quando já batia vinte e cinco pras sete, o Salão contava com trinta e três milhões, trezentos e oitenta e cinco mil, duzentos e oitenta e dois convidados.

 

Foi um verdadeiro banquete: fartura de leite e mel, erva verde, erva que dava semente e frutos de árvores frutíferas segundo suas espécies. Até hoje, quando alguém ainda faz um baile, um jantar ou um churrasquinho no fim de semana, o faz tentando imitar a festa da primeira e melhor sexta-feira de todos os tempos.



E-mail: Fale com o Autor





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    4.00 (até 5)
Número de votos: 1 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.