Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > Meio Ambiente > Paraísos Ecológicos > Parque Estadual do Turvo

Criação, características, fauna, história e muito mais

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 9801
Publicação: 08/09/2007

1.1.CRIAÇÃO

Estima-se que o Estado do Rio Grande do Sul, antes da colonização, possuía 40% do seu território recoberto por florestas. Estas florestas correspondiam a uma área aproximada de 9.800.000 ha e ainda eram terras devolutas no final do século passado, tendo sido utilizadas para o assentamento de imigrantes europeus. Preocupado com a crescente devastação das florestas estaduais, o Poder Público preocupou-se em proteger algumas áreas.

Em 1947, com base numa exposição de motivos apresentada pela Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio, o então interventor Federal, Cylon Rosa, decretou uma área de 17.637,05 ha da Floresta Pluvial Subtropical do Alto Uruguai, como Reserva Florestal Estadual do Turvo. Conforme o Decreto Número 2.312, de de 11 de março de 1947, a reserva foi criada com o objetivo de "proteger a formação florestal e propiciar refúgio para espécies da fauna, sendo proibido qualquer tipo de alienação, arrendamento ou ônus, bem como exploração agrícola ou industrial".

1.2.TRANSFORMAÇÃO DA RESERVA FLORESTAL EM PARQUE ESTADUAL.

Em 1954, por efeito da Lei Número 2.440, de 2 de outubro de 1954, "todas as matas de domínio do Estado e com mais de 250 ha "foram transformadas em Parques Estaduais, excluindo-se apenas as "áreas desflorestadas e transformadas em lotes rurais".

A Reserva Florestal Estadual do Turvo passou então à categoria de Parque Florestal Estadual do Turvo.

Nos Parques Estaduais ficaram "expressamente proibidas a caça a pesca e o corte de essências nativas, abertura de aceiros, desbastes periódicos e subdivisões da floresta em talhões".

2. LOCALIZAÇÃO

O Parque Estadual do Turvo localiza-se no Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, na Região do Alto Uruguai, no município de Derrubadas. Limita-se ao Norte com Santa Catarina e Argentina, através do Rio Uruguai, à Oeste com o Rio Turvo, à Leste com o Rio Parizinho e ao Sul com propriedades rurais.

3. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

A área do Parque Estadual do Turvo é de 17.491,40 ha, representando quase 50% da área total do município de Derrubadas e 0,065% da área do Estado. Está incluído no Planalto de Lavas Basálticas da Bacia do Rio Paraná e apresenta altitudes que variam entre 100 e 400 metros com elevações de escarpas com grandes inclinações, e vales que se abrem para oeste e para o norte, originando a rede de drenagem natural.

Além dos rios que fazem limites com o Parque, rios Uruguai, Turvo e Parizinho, este é cortado, transversalmente, pelos "lajeados" Mairosa e Calistro, que nascem fora da área do Parque e recebem vários tributários menores, todos de grande importância na formação da rede hidrográfica local. Existem ainda muitos arroios que nascem nas elevações e deságuam diretamente no Rio Uruguai, bem como um grande número de pequenas lagoas.

O solo é argiloso, pobre em quartzo, rico em ferro e manganês, cor vermelho escuro, com pouca profundidade média, drenagem rápida e muito suscetível à erosão.

O clima, conforme a classificação de Köppen, corresponde a Subtropical Temperado Úmido, com nevoeiros freqüentes, índices médios anuais de precipitação pluviométrica de até 1900mm anuais e temperaturas com variação entre 6,6 e 37,4 graus centígrados, em média.

4. CARACTERÍSTICAS BIOLÓGICAS

4.1. VEGETAÇÃO

A área do Parque encontra-se coberta, em sua quase totalidade, pela Floresta Subtropical Latifoliada ou Floresta Latifoliada Decidual, também denominada "Mata Subtropical do Alto Uruguai".

Além da Floresta, ocorrem outras formações vegetais, em ambientes como: Banhados (em área de drenagem insuficiente ou nascentes de rios); Campestres( áreas onde os afloramentos de rochas basálticas impedem a formação de floresta, predominando a vegetação herbácea); Lajedo (afloramento basáltico à margem do Rio Uruguai, com vegetação herbácea e arbustiva, sujeito a inundações periódicas) e Formações Antrópicas (pequenas áreas com vassourais, capoeiras ou florestas secundárias, onde a floresta original sofreu ação humana).

Em trabalho de pesquisa, realizado por Brack e outros autores, publicado em 1985 , com o título, "Levantamento Florístico do Parque Estadual do Turvo", foram encontradas, nessas cinco diferentes formações, 772 espécies vegetais.

NA FLORESTA

Em levantamento florístico e fitossociológico dos componentes arbóreo e arbustivo realizado por técnicos do DRNR em uma área da floresta na estrada do Porto Garcia, foram amostrados 856 indivíduos, para aquela área:

88 espécies, 69 gêneros e 37 famílias;

Densidade de 546,5 árvores/há., no componente arbóreo, e 4499,25 indivíduos/há, no componente arbustivo.

espécies arbóreas mais importantes ( índice de valor de importância IVI): Sorocea bonplandii (cincho), Ocotea diospyrifolia (canela), Cabralea canjerana (canjerana) e Tetrochidium rubrevinium (embirão).

espécies dominantes: canela, embirão e Apuléia leiocarpa (grápia).

árvores mortas: também demostraram-se importantes na floresta, com alto índice de valor de importância (5ºlugar).

índice de espécies raras (espécies com um só individuo amostrado), foi de 19,67% para o componente arbóreo e de 33,3% para o arbustivo.

Quanto a distribuição vertical, foram identificadas três estratos assim caracterizados:

Um estrato arbóreo superior ou cobertura, formado por árvores com alturas médias de 20m, com indivíduos emergentes chegando a 30m, em sua maioria espécies deciduais (que perdem as folhas no inverno), como a grápia, canjerana, canafístola (Peltroporum dubium), cedro (Cedrela fissilis), louro (Cordia trichotoma;

Um estrato arbóreo médio, entre 10m e 20m de altura, denso e com muitas espécies perenifolias (que não perdem as folhas), tais como: Syagrus romanzoffiana (gerivá), Styrax leprosus (carne de vaca), Matayba elaeagnoides(camboatá branco), canela dos gêneros Calyptrantes, Plinia, Eugenia, entre outros;

Um estrato arbóreo/arbustivo ou sub bosque, formado por árvores arvoretas e arbustos, caracteriza-se pela presença significativa de cincho, urtigão (Urera baccifera), ingá marginata, pau de ervilha (trichilia elegans),laranjeira do mato (Actinostemum concolor), são comuns os cipós, trepadeiras e as epífitas, mas o sub bosque só se torna fechado nas clareiras, onde crescem, principalmente, bambus.

Existem ainda, junto ao solo da floresta, um estrato herbáceo, formado principalmente por ervas, rastejantes ou eretas como as gramíneas e as compostas.

NOS CAMPESTRES

Com exceção dos períodos de chuva, os afloramentos de rocha que caracterizam os campestres, impedindo a formação de florestas, ficam quase totalmente recobertos por líquens, musgos e ervas. Ente as ervas mais freqüentes encontra-se a petúnia e verbena. Também são comuns várias espécies de bromeliáceas, cactáceas, compostas e também de samambaias. Onde já existe formação de solo, ocorrem arbustos e arvoretas como: cocão, quaresmeira, guamirim e também espécies arbóreas como, açoita-cavalo, canela de veado, que neste ambiente não ultrapassam a 4 ou 5 metros de altura.

NO LAJEDO

A formação rochosa às margens do Rio Uruguai, o lajedo, apresenta poucas espécies adaptadas à condições extremas: nas épocas de cheia quando o Rio transborda, e ficam meses expostas ao sol, nas épocas de seca. São ervas como Stenandrium trinervi, bulbostylis capillaris, Dickia brevifolia e também arbustos, como sarandi.

A espécie Dickia brevifolia, é uma bromeliácea de folhas grossas, curtas, com pontas espinhentas, que precisa ser protegida, pois só existem em poucos locais às margens do Rio Uruguai , correndo o risco de desaparecer. É uma espécie endêmica, em extinção.

4.2.FAUNA

O Parque Estadual do Turvo representa hoje um dos últimos refúgios, no Estado para espécies de grandes mamíferos como onças-pintadas(Panthera onça) e antas(Tapirus terrestris).

Em levantamento realizado por técnicos da Secretaria da Agricultura do Estado, desde 1977, foi encontrado no Parque um total de 48 espécies de mamíferos, pertencentes a 20 famílias.

Entre os grandes mamíferos foram encontrados, entre outros:

anta (Tapirus terrestris);

mão-pelada (Procyon cancrivorus);

bugio (Alouata fusca);

mico (Cebus apella);

porco- queixada (Tayassu pecari);

porco- cateto (Tayassu tajacu);

veado- pardo (Mazama americana);

veado- virá (Mazama guazoubira);

tamanduá- mirim (Tamanduá tectradactila);

cutia (Dasypoctra azarae)

5 espécies de felinos;

onça- parda (Felis concolor);

jaguatirica (Frlis pardalis);

gato- maracajá (Feliss wiedii);

gato- mourisco (Felis yagouaroundi);

onça- pintada (Panthera onça);

Entre os pequenos mamíferos podem ser citados:

morcego (Artibeus lituratus);

tapiti (Sylvilagos brasiliensiss);

serelepe (Sciurus sp);

tatu- galinha (Dasypus novemcinctus);

A área do parque é igualmente importante para a preservação de muitas espécies de aves, sendo algumas raras e em via de extinção, como:

jacutinga (Pipile jacutinga);

guaxe ou gralha- argentina (Cacicus haemorrhous);

uru (Odontophorus capueira);

pica- pau- rei (Phloeoceastes robustus);

araçari- banana (Baillonicus bailloni).

Albuquerque publicou em a1981, a "Lista preliminar das aves observadas no Parque Estadual do Turvo", onde constam218 espécies de aves (39% das espécis de aves citadas para o Estado), sendo que duas espécies estavam sendo citadas pela 1º vez para o Estado: rola- azul (Claravis pretiosa) e siriri- social (Myrozetes similis).

São ainda citados para o Parque entre outros:

RÉPTEIS- lagarto (Tupinambis teguixim)

SERPENTES:

jararaca (Bothrops jararaca)

jararacussu (Bothrops jararacussu);

coral- verdadeira (Microrus sp);

cotiara (Bothrops cotiara);

ANFÍBIOS:

rã- chorona (Physalemus sp)

sapo- boi (Bufo crucifer);

sapo- ferreiro (Hyla faber).

É notável, também, a diversidade de borboletas e de outros insetos, aranhas e microorganismos.

5.ASPECTOS PAISAGÍSTICOS

Além da beleza natural de todos os ambientes que compõe o Parque, incluindo as várias quedas d’água de grande valor paisagístico, este se notabiliza por conter em seus limites com a Argentinas o Salto do Yucumã . Este Salto constitui-se em local de rara beleza cênica, onde o Rio Uruguai descarrega todo o volume de suas águas em uma fenda longitudinal com aproximadamente 1800metros de extensão, com quedas de 12 à 15m de altura. O canal onde as águas se precipitam possui uma largura média de 30m e uma profundidade estimada em torno de 90 à 120m. Visto da margem brasileira, mais baixa, o Salto apresenta-se como um degrau basáltico, coberto por uma cortina de águas brancas e ruidosas.

6.ASPECTOS HISTÓRICOS

Em 1974, quando foi criada a Reserva Florestal Estadual do Turvo, a Região do Alto Uruguai era muito pouco habitada, estando ainda recoberta por grandes extensões da floresta das bacias dos Rios Uruguais e Paraná. A evolução da ocupação humana na Região caracterizou-se, no início, pela busca do lucro rápido, proviniente do extrativismo da madeira. Para tanto a floresta foi sendo explorada e devastada.

Sem que houvesse a reposição das espécies nobres abatidas, a floresta foi deixando de representar fonte de lucro e, gradativamente, foi cedendo seu lugar para atividades agrícolas.Com o passar do tempo a Região do Alto Uruguai transformou-se em Região Celeiro do Estado e, nas últimas décadas, expandiram-se mais rapidamente suas fronteiras agrícolas, com as monoculturas de soja e trigo. Atualmente as plantações agrícolas substituíram a antiga floresta, dela só restando diminutos e raros fragmentos entre as lavouras, insuficientes para manter as inter-relações originais.

Neste contexto, o Parque Estadual do Turvo cresceu em importância, pois representa hoje o único remanescente, representativo e preservado, dos ecossistemas naturais da região.

Desde a sua criação como Reserva Florestal, esta área sempre esteve sob a jurisdição da Secretaria da Agricultura. O seu manejo, inicialmente, visou apenas a preservação, mantendo um serviço de vigilância permanente. Graça a este, apesar da perda de área (146,1há), ocorrida em 1965, foi mantida livre do introsamento e hoje está com sua situação legal regular e definida, sem problemas fundiários.

Desde 1954, quando deixou de ser uma Reserva Florestal e passou a categoria de manejo Parque , cumpre com seu objetivo de oferecer local para visitação pública. Nesta época era permitida a visitação em uma área de praia, nas margens do Rio Uruguai, denominada Porto Garcia. Em 1983 a abertura de uma estrada com 14,8km de extensão , ligando a periferia do Parque ao Salto do Yucumã, tornou possível o acesso do público visitante a este local atrativo. Foi então instalada uma área de visitação, com algumas churrasqueiras, mesas e bancos rústicos, em uma clareira de 2há, aberta no final da estrada.

Na década de 70, foi também montada uma infra- estrutura mínima para atender os objetivos de preservação, bem como de pesquisa, com a construção da sede administrativa, de residências, de postos de vigilância e de alojamento e com aquisição de equipamentos e veículos. Nesta ocasião o Parque contava com 15 funcionários.

Em 1976, foi feito o mapeamento do Parque e em 1980 publicado o seu Plano de Manejo.

No final da década de 80, a prefeitura de Tenente Portela, através do convênio com a Secretaria da Agricultura, melhorou a infra- estrutura oferecida na área de vistação, construindo sanitários e quiosques com churrasqueiras mesas e pias.

Em 1988, foi apresentado no Congresso Federal Estadual de Nova Prata, RS, por Renata Bulhões, estagiária do Departamento de Pesquisas, o trabalho "Levantamento da Situação atual do Parque Florestal Estadual do Turvo e Sugestões ao Plano de Manejo". Nesta análise concluiu haver falta de pessoal qualificado, tanto para a fiscalização, como para o atendimento ao público, salários muito baixos, residências e instalações precárias e sem manutenção, falta de sinalização, inexistência de treinamento e de coordenação de pesquisa e falta de um programa de interpretação para o visitante, com centro de interpretação e trilhas.

Buscando mudar esta situação em 1994, a equipe técnica da DUC- Divisão de Unidade de Conservação, responsável pela administração do Parque, esteve revisando o Plano de Manejo como um todo e elaborou um "Plano de Ação Emergencial para a Visitação no Parque Florestal Estadual do Turvo". Este plano tem como objetivo básico transformar o Parque num instrumento ativo no desenvolvimento da Região, e também na recuperação de seu ambiente, hoje um exemplo de devastação e desequilíbrio. Foi apresentado para a comunidade em 26 de abril do corrente ano e poderá ser posto em prática através do convênio entre a Secretaria da Agricultura e a prefeitura de Derrubadas.

7. USO PÚBLICO ATUAL

O uso público do parque Estadual do Turvo está restrito, atualmente, à área do Salto do Yucumã. Esta área de visitação compreende um local de recepção, junto ao pórtico de entrada; uma estrada que atravessa o interior da floresta, ao longo de 14,8km; uma área de recreação, com cerca de 2há, formada Por uma clareira no final da estrada; um caminho com cerca de 600m de extensão que leva ao Rio Uruguai, e uma larga extensão rochosa, o lajedo, entre a beira da floresta e a margem do Rio, ao longo do Salto do Yucumã.



Fonte:   Prefeitura Municipal de Derrubadas





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    3.00 (até 5)
Número de votos: 6 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.