Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está na seguinte Editoria:   Home > Notícias > Educação

Justiça restaurativa é tema de seminário

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Publicação: 14/09/2007

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) participa hoje, 14, das 9h às 18h, do seminário Justiça e Educação: educação, cultura de paz e justiça restaurativa, no auditório do Ministério Público (Avenida Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, Praia de Belas). O evento é aberto ao público e vai discutir novas formas de abordar os conflitos, rompendo com o paradigma da punição e do desrespeito.

À tarde, as escolas municipais de Ensino Fundamental Migrantes e Nossa Senhora de Fátima apresentarão seus projetos sobre justiça restaurativa. A Migrantes realiza o Projeto Cultura da Paz e apresentará pesquisas desenvolvidas por um grupo de estudos formado por professores e funcionários. Os representantes da Nossa Senhora de Fátima vão falar sobre experiências com a aplicação da justiça restaurativa na escola.

“O seminário é de vital importância, pois discute sobre uma abordagem não tradicional a respeito dos conflitos na escola. Através desse trabalho tiramos o foco do problema e colocamos nas pessoas”, explicou a coordenadora-adjunta do Território de Aprendizagem na Educação Fundamental, e uma das coordenadoras do evento, Cláudia Machado. O Seminário é promovido pela Fundação Escola Superior do Ministério Público, Pontifícia Universidade Católica (Pucrs), Secretaria Estadual de Educação e Smed.

Justiça restaurativa
Na justiça restaurativa a questão central, ao invés de versar sobre culpados, trata do ponto de vista de quem foi prejudicado pela infração. Ao contrário da justiça tradicional, que se ocupa predominantemente da violação da norma de conduta, a restaurativa ocupa-se das conseqüências e danos produzidos pela infração; valoriza a autonomia dos sujeitos e o diálogo entre eles, criando espaços protegidos para a auto-expressão e o protagonismo de cada um dos envolvidos e interessados (transgressor, vítima, familiares, comunidades).



Fonte:   Prefeitura Municipal de Porto Alegre



Fotos Adicionais



Classificação Média dos Visitantes:    0.00 (até 5)
Número de votos: 0 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.