Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > História Gaúcha > Colonização > Apresentação

A estratégia do assentamento

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 1582
Publicação: 08/09/2007

 A colônia era uma área de terra que era dividida em lotes. Inicialmente cada lote tinha 77 hectares. A partir de 1851 a área caiu para 48,4 hectares, permanecendo assim até 1889, quando foi novamente reduzida, passando para 25 hectares - medida que foi adotada principalmente pelas empresas particulares de colonização.
 
 A área de uma colônia era dividida em léguas. Cada légua, por sua vez, era dividida por travessões (também chamados de linhas ou picadas), que eram estradas ao longo das quais eram demarcados os lotes. Cada lote tinha de 200 a 250 metros de frente, e fundos que atingiam de três mil metros (no início da colonização alemã) a mil metros (na etapa final da colonização do estado). As propriedades confinavam-se, ao fundo, com um outro terreno, que dava frente para outro travessão. Assim, entre um travessão e outro, havia uma distância que variou, nas diferentes épocas, de seis a doze quilômetros.
 
 As propriedades se encontravam no meio do mato, apenas com as picadas abertas. Quando chegava a seu lote, o colono providenciava inicialmente a construção de uma cabana rústica, geralmente coberta com folhas e sem paredes, que pudesse abrigar a família. Essa moradia - que mais tarde era substituída por uma casa - ficava na frente do lote, próxima à estrada.
 
 O colono ia, aos poucos, ocupando a propriedade, a partir de sua frente. Era preciso derrubar o mato, preparar a terra para o plantio etc. Para isto era usada a queimada - hábito que os imigrantes aprenderam com os brasileiros e que estes, por sua vez, haviam herdado dos índios.
 
 Vindos de regiões onde moravam em vilas ou propriedades rurais, os colonos estranhavam, de imediato, a solidão em que se encontravam. Por isto, logo surgia uma povoação, onde os imigrantes se encontravam, e onde estava a igreja, a venda e outros serviços.
 
 Durante o período de imigração alemã o local da vila não era demarcado. As povoações surgiam espontaneamente e eram chamadas, pelos colonos, de Stadplätze. Mas a partir da década de setenta do século passado, quando começaram a chegar os imigrantes italianos, já era determinado um espaço para a instalação do povoado.


Fonte:   Lígia Gomes Carneiro





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    4.00 (até 5)
Número de votos: 2 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.