Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > História Gaúcha > Revolução Farroupilha > Locais

A velha ponte do Moinho, um local estratégico

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 4168
Publicação: 08/09/2007

 Porto Alegre mal dava seus primeiros passos no século XVIII quando, fora dos limites de sua pequena vila, uma ponte já começava a preocupar suas autoridades. Tratava-se de permitir mais facilmente o acesso a uma parte significativa dos arredores da povoação, para onde se daria a expansão natural de uma futura cidade. No local onde viria a se construir a estratégica ponte - importância essa confirmada quando os farrapos a tomaram numa escaramuça com as forças imperiais antes de conquistarem Porto Alegre, no início da Revolução Farroupilha -, havia antigamente um moinho d'água de Francisco Antônio da Silveira, o Chico da Azenha. Azenha, porque ele era o proprietário da azenha onde se moía o trigo que atendia as necessidades de farinha da vila.
 
 Segundo o "Guia Histórico" das ruas de Porto Alegre, de Sérgio da Costa Franco, em 1777 os membros da Câmara Municipal de Porto Alegre já discutiam a concessão de verbas para a construção da ponte, que, portanto, foi a primeira edificada no local. Mas que não foi duradoura, por uma razão que as pessoas que ainda hoje se movimentam pela avenida Ipiranga percebem muito facilmente: quando chove nas cabeceiras do arroio Dilúvio. Em pouco tempo ele pode passar de um pacato arroio a um violento riacho, profundo e com muita correnteza.
 
 Portanto, em 1802, os vereadores precisaram se reunir novamente para tratar da ponte, desta vez para mandar reconstruí-la "à custa de todos os moradores que transitam pela dita ponte", como informa Costa Franco. A reconstrução foi efetuada várias vezes, até que em 1935 foi feita a que ainda se mantém no local: mais larga e bem mais sólida que as anteriores, como facilmente se verifica ao observar-se a estrutura que diariamente suporta uma intensa movimentação de veículos. Das 7 às 20 horas passam pela ponte, diariamente, quase 100 mil veículos.


Fonte:   Lígia Gomes Carneiro





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    3.50 (até 5)
Número de votos: 6 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (1)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
Lamento que não exista fotografias antigas e recentes para enriquecer o texto.
Desde já, agradeço a oportunidade de conhecer mais um evento da nossa história do Brasil. Espero, também, que conheçam um pouco da história do meu Estado do Pará, que tem passagens de grande instabilidade política e enfrentamentos armados.
21/01/2008 - t. pereira




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.