Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > Cultura > Lendas

Capítulo 04 - A Salamanca do Jarau

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 950
Publicação: 01/10/2007

 (J. Simões Lopes Neto)
 

 (continuação)
 
 - Eu sou a princesa moura encantada, trazida de outras terras por sobre um mar que os meus nunca sulcaram... Vim, e Anhangá-pitã transformou-me em teiniaguá de cabeça luminosa, que outros chamam o - carbúnculo - e temem e desejam, porque eu sou a rosa dos tesouros escondidos dentro da casca do mundo...
 
 Muitos têm me procurado com o peito somente cheio de torpeza, e eu lhes hei escapado das mãos ambicioneiras e dos olhos cobiçosos, relampejando desdenhosa o lume vermelho da minha cabeça transparente...
 
 Tu, não; tu não me procuraste ganoso... e eu subi ao teu encontro; e me bem trataste pondo água na guampa e trazendo mel fino para o meu sustento.
 
 Se quiseres, tu, todas as riquezas que eu sei, entrarei de novo na guampa e irás andando e me levarás onde eu te encaminhar, e serás senhor do muito; do mais, do tudo!...
 
 A teiniaguá que sabe dos tesouros, sou eu, mas sou também princesa moura...
 
 Sou jovem... sou formosa..., o meu corpo é rijo e não tocado!...
 
 E estava escrito que tu serias o meu par.
 
 Serás o meu par... se a cruz do teu rosário me não esconjurar... Senão, serás ligado ao meu flanco, para quando quebrado o encantamento, do sangue de nós ambos nascer uma nova gente, guapa e sábia, que nunca mais será vencida, porque terá todas as riquezas que eu sei e as que tu lhe carrearás por via dessas!...
 
 Se a cruz do teu rosário não me esconjurar...
 
 Sobre a cabeça da moura amarelejava nesse instante o crescente dos infiéis...
 
 E foi se adelgaçando
 
 no silêncio a cadência embalante da fala induzidora...
 
 A cruz do meu rosário...
 
 Fui passando as contas, apressado e atrevido, começando na primeira... e quando tenteei a última... e que entre as duas os meus dedos, formigando, deram com a Cruz do Salvador... fui levantando o Crucificado... bem em frente da bruxa, em salvatério... na altura do seu coração... na altura da sua garganta... da sua boca... na altura dos...
 
 E aí parou, porque olhos de amor, tão soberanos e cativos, em mil vidas de homem outros se não viram!...
 
 Parou... e a minha alma de cristão foi saindo de mim, como o sumo se aparta do bagaço, com o aroma sai da flor que vai apodrecendo...
 
 Cada noite
 
 era meu ninho o regaço da moura; mas, quando batia a alva, ela desaparecia ante a minha face cavada de olheiras...
 
 E crivado de pecados mortais, no adjutório da missa trocava os amém e todo me estortegava e doía quando o padre lançava a bênção sobre a gente ajoelhada, que rezava para alívio dos seus pobres pecados, que nem pecados eram, comparados com os meus...
 
 Uma noite ela quis misturar o mel do seu sustento com o vinho do santo sacrifício; e eu fui, busquei no altar o copo de ouro consagrado, todo lavorado de palmas e resplendores; e trouxe-o, transbordante, transbordando...
 
 De boca para boca, por lábios incendiados o passamos...
 
 E embebedados caímos, abraçados.
 
 Sol nado, despertei;
 
 estava cercado pelos santos padres.
 
 Eu, descomposto; no chão o copo, entornado; sobre o oratório, desdobrada, uma charpa de seda, lavrada de bordaduras exóticas, onde sobressaía uma meia-lua prendendo entre as aspas uma estrela... E acharam na canastra a guampa e no porongo o mel... e até no ar farejaram cheiro mulherengo... Nem tanto era preciso para ser logo jungido em manilhas de ferro.
 
 Afrontei o arrocho da tortura, entre ossos e carnes amachucadas e unhas e cabelos repuxadas. Dentro das paredes do segredo não havia gritos nem palavras grossas; os padres remordiam a minha alma, prometendo o inferno eterno e espremiam o meu arquejo decifrando uma confissão...; mas a minha boca não falou... não falou por senha firme da vontade, que não me palpitava confessar quem era ela e que era linda...
 
 E raivado entre dois amargos desesperos não atinava sair deles: se das riquezas, que eu queria só pra mim, se do seu amor, que eu não queria que fosse senão meu, inteiro e todo!
 
 Mas por senha da vontade a boca não falou.
 
 Fui sentenciado a morrer pela morte do garrote, que é infame; condenado fui por ter dado passo errado com bicho imundo, que era bicho e mulher moura, falsa, sedutora e feiticeira.
 
 No adro e no largo da igreja o povo ajoelhado batia nos peitos, clamando a morte do meu corpo e a misericórdia para a minha alma.
 
 O sino começou dobrando a finados. Trouxeram-me em braços, entre alabardas e lanças, e um cortejo moveu-se, compassando a gente d’armas, os santos padres, o carrasco e o povaréu.
 
 Dobrando a finados... dobrando a finados...
 
 Era por mim.


Fonte:  





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    0.00 (até 5)
Número de votos: 0 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.