Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > Meio Ambiente > Informações Gerais

Variedade influenciada pela existência de água

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 1597
Publicação: 08/09/2007

 As paisagens naturais do Rio Grande do Sul são as mais variadas possíveis. Vão desde os pampas do Sul até a Mata Atlântica em Torres. Incluem as dunas do litoral e os remanescentes da Floresta do Alto Uruguai. Em cada pedaço do Estado é possível encontrar uma paisagem diversa, com suas plantas e animais específicos. Mas por que há, no Estado, essa variedade?
 
 Em primeiro lugar, porque o Rio Grande está em uma posição privilegiada: nem tanto ao Sul, nem tanto ao Norte. Localizado em uma zona de transição climática, ele tem condições de apresentar as vegetações mais variadas - ao contrário de Estados como Goiás, com seus cerrados, ou da Amazônia, com florestas por todos os lados.
 
 A vegetação atual é fruto da história da conjugação de vários fatores: a geologia, o tipo de solo e o clima. Este último tem uma influência muito grande. Nele, três aspectos são determinantes: a temperatura, a insolação e a oferta de água - o mais essencial de todos.
 
 Água é vida, como demonstram na prática os desertos. E a sua escassez determina, no caso gaúcho, a formação da paisagem mais tipicamente associada à imagem do Estado: os campos, estepes ou pampas. Nessas áreas há déficits anuais de água ocasionando fortes períodos de seca, o que se agrava pela existência de um solo raso que não contribui para a retenção da água.
 
 A etapa seguinte é a savana, uma estepe com árvores dispersas. Esse tipo de formação é chamada de parque - porque lembra os parques formados pelo homem, com suas árvores espalhadas aqui e acolá. No Brasil, um exemplo disto é o cerrado. No Rio Grande, há apenas uma formação dessas: é o parque espinilho, que se localiza na região de Uruguaiana.
 
 Mais água - e com a ajuda de alguns dos outros fatores - e chega-se à floresta, com árvores cujas copas se tocam. No Rio Grande do Sul há quatro formações florestais diferentes. A primeira é a floresta do Alto Uruguai - que foi quase inteiramente devastada, e cuja melhor "amostra" está no Parque Estadual do Turvo.
 
 Outra é a Mata Atlântica - que sobrevive, heroicamente, nas encostas escarpadas do Planalto, no extremo norte do Litoral gaúcho. Há ainda a floresta de araucárias, no Planalto, onde o pinheiro caracteriza a paisagem, e a floresta da Serra do Sudeste - que é, de todas as formações, a menos estudada.
 
 Também é a água a responsável pelo banhado, uma outra paisagem característica do Estado - em especial na planície costeira. Mas, no caso do banhado, ela atua de uma outra forma. Para que haja um banhado, é preciso que haja um rio ou uma lagoa que forneça a água. É necessário, também, que seja uma área plana, em que a água fique retida, formando o banhado. Por isto é que pode haver banhados em zonas onde não chove muito. É o caso da região do Taim, que tem uma precipitação pluviométrica anual muito baixa, mas é uma área plana, com um rosário de lagoas, onde a água fica parada.


Fonte:  





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    4.00 (até 5)
Número de votos: 1 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.