Buscar em     por     
     Minha Conta/Login | Publicidade | Contato     

     Home    PUBLICAR   CADASTRO   Pets Brasil   Postais   Busca RS   Ajuda










  Categorias

Ver Todas as Categorias

Procurar por municípios


  Serviços

Procura um novo amor? Cadastre-se grátis no Cupido BR

Mande postais gratuitos do RS e de todo o país. Agende eventos


  Destacados


Dr. MARCO TÚLIO VICHINSKI ROCHA



     

Você está aqui:   Home > Meio Ambiente > Os dinossauros gaúchos

A importância de Santa Maria

Comentários | Adicionar a Favoritos | Enviar a Amigos |


Page Views: 2281
Publicação: 08/09/2007

 O fato de todos os fósseis de dinossauros gaúchos terem sido encontrados em Santa Maria desperta curiosidade sobre o que essa região do Estado tem de especial.
 
 Em primeiro lugar é preciso saber que fósseis só são encontrados dentro das chamadas rochas sedimentares, formadas na superfíscie da crosta terrestre pelo acúmulo de fragmentos provenientes da erosão de outras rochas.
 
 Esses fragmentos (argila, areia, entre outros), chamados de sedimentos, são carregados pelo vento, pelas chuvas, pelos rios e pelo gelo e tendem a se acumular em áreas de relevo baixo, como planícies marginais a rios, lagos e mar.
 
 Nesse processo de transporte e acúmulo de sedimentos, alguns restos de organismos acabam sendo englobados e depois se transformam em fósseis.
 
 Em tempos remotos, o Rio Grande do Sul fazia parte de uma grande bacia sedimentar, denominada Bacia do Paraná, que se estendia desde o Uruguai até Goiás, incluindo parte dos Estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além do Paraguai.
 
 Nesta ampla faixa foram depositados, ao longo de milhões de anos, sucessivas camadas de sedimentos diferentes contendo grande quantidade de restos e vestígios de organismos.
 
 Atualmente, fazendo-se um percurso de Caçapava do Sul até Erechim, é possível sair do fundo da Bacia do Paraná, subindo através de todas as camadas de rochas sedimentares que ali se depositaram e terminando sobre os derrames de basalto que cobriram tudo.
 
 Os fósseis contidos nessas camadas, representam milhões de anos da vida no planeta - entre 300 milhões e 130 milhões de anos atrás. Com o passar do tempo, os movimentos da crosta terrestre fizeram com que a Bacia do Paraná perdesse sua comunicação com o oceano, passando a ser um grande lago, cada vez mais raso, povoado de répteis aquáticos.
 
 Há cerca de 250 milhões de anos, no período Triássico, esse lago acabou secando e se transformou numa grande planície de clima quente e com estações bem marcadas de seca e de chuvas. Parte das camadas do Triássico, justamente aquelas que contêm os fósseis de répteis, entre os quais os dinossauros, estão aparecendo atualmente na região de Santa Maria.


Fonte:   PUCRS





Fotos Adicionais


Classificação Média dos Visitantes:    0.00 (até 5)
Número de votos: 0 Votos

Vote no artigo:
 Comentários dos visitantes (0)
escreva um comentário (NÃO é para contatar o site)
(Não foram encontrados comentários. O seu pode ser o primeiro!)




 
     

 


Mapa do Site | Termos de Uso | Política de Privacidade | Fale a Seus Amigos |

Copyright © 1995-2014, Infomídia Produções. Todos os direitos reservados.
Este é um site de divulgação sobre o Estado do Rio Grande do Sul. Quer contribuir? Sua contribuição será muito bem-vinda.